"E aqueles que pensam em Me procurar, saibam que a vossa busca e vosso anseio devem beneficiar-vos apenas se vós souberdes o Mistério; se o que vós procurardes, vós não achardes dentro de vós mesmos, então nunca encontrarão fora. Pois eu tenho estado convosco desde o Início e Eu Sou Aquela que é alcançada ao final do desejo"


sábado, 10 de abril de 2010

PARA USAR O TERMO DOS CRISTÃOS DIRIA QUE É UM "CULTO DEMONIACO"


COMO A MODA É CRUEL E ANTI-NATURA...
A DITADURA DA "BELEZA"...


“O massacre da auto-estima”

(…)
Do alto desses tempos supostamente "civilizados", olhamos com desdém para as torturas a que eram, ou ainda são, submetidas as mulheres em sociedades antigas e/ou "primitivas": os espartilhos vitorianos e os pés deformados da China foram apropriadamente lembrados há dias, aqui mesmo no GLOBO, na página sete, por Leonardo Drummond -- que não se esqueceu de contrapô-los às atuais costelas cirurgicamente removidas, que tanta gente considera uma forma "normal" de afinar a silhueta.
A isso se poderia acrescentar um vasto catálogo de horrores contemporâneos, das argolas que continuam a esticar os pescoços das mulheres de Burma às pernas serradas e espichadas das chinesas que, com isso, ficam mais altas e "atraentes", tanto para os homens quanto para o mercado de trabalho.

É fácil percebermos que há algo errado em pessoas de resto normais, e eventualmente bonitas, que se submetem a cirurgias em que seus ossos são removidos ou serrados por razões puramente estéticas; chega a ser difícil acreditar que isso aconteça aqui, agora, num mundo cientificamente esclarecido. Mas a maioria das dietas a que se submetem tantas mulheres insatisfeitas com seus corpos e os remédios que tomam para se manterem magras não são menos prejudiciais do que os procedimentos cirúrgicos que nos horrorizam; nem é menos profundo o grau de infelicidade que as move a comportamentos tão destrutivos.

Muito pior do que o que se vê no corpo é o que vai pela alma, e que não se vê.

Esta trágica infelicidade não se restringe mais a umas poucas pessoas, mas se espalha, como praga, por toda a sociedade. Num mundo cada vez mais obeso, a imagem da beleza é, paradoxalmente, cada vez mais esquálida. A própria idéia do que é beleza, aliás, anda tão inequivocamente atrelada a pele e ossos que já não se concebe beleza acima do peso "ideal". Isso seria compreensível, até certo ponto, em termos de saúde -- se este magro "bonito" não estivesse muito, mas muito além do que a imensa maioria das mulheres pode alcançar naturalmente. E não fosse doentio.
(…)
EXCERTO DE ARTIGO CORA RONAI
(O Globo, Segundo Caderno, 23.11.2006)
««««
NOTA À MARGEM...

Será que o mundo mudou assim tanto para as milhares (MILHÕES?) de mulheres que no mundo de hoje, dito civilizado ainda se mutilaM e se sacrificaM por conceitos actuais que as escravizam desde sempre?

Enquanto umas são mutiladas pelas tribos, as mulheres civilizadas do Ocidente submetem-se às mãos dos médicos e cometem todo o tipo crimes contra natura e contra si próprias em nome da moda e da imagem...ou para conquistar o "amor" de um homem ou para manter a "juventude" sem a qual elas deixam de ter valor...
Elas são ao longo da vida mentalizadas, manipuladas pelos midia em geral, obsecadas pela imagem das modelas e artistas de cinema, e quando chega o momento estão prontas para serem as cobaias dos médicos que as operam. Elas OBEDECEM AOS PADRÕES MASCULINOS DE BELEZA E ainda por cima pagaM milhares de euros ou dólares para ter uma "imagem"...?

A única diferença entre o ocidente e o sub-mundo da escravidão está no dinheiro e nas aparências e claro nas anestesias que usam os especialistas que as torturam e mutilam a cirurgicamente...com consentimento da vítima...

QUe diferença há entre isso e os "pés de lótus" das chinesas?
RLP
EM MULHERES & DEUSAS

3 comentários:

sueli disse...

como mãe que sou gostaria de lhe abraçar e dizer ...amo você como é.

Gaia Lil disse...

Eu tambem gostaria de te dar um grande abraço como daria numa mãe, numa filha ou numa irmã.

Abraços carinhosos

Caracóis disse...

Concordo plenamente! É triste ver a que ponto o ser-humano desce em nome da estética e da beleza. Vê o meu post recente "A Família Portuguesa" que toca estes aspectos.