"E aqueles que pensam em Me procurar, saibam que a vossa busca e vosso anseio devem beneficiar-vos apenas se vós souberdes o Mistério; se o que vós procurardes, vós não achardes dentro de vós mesmos, então nunca encontrarão fora. Pois eu tenho estado convosco desde o Início e Eu Sou Aquela que é alcançada ao final do desejo"


sábado, 6 de dezembro de 2008

DEUSA BASTET




A Deusa-Gata

Bastet was a protective goddess.

A Deusa-Gata, que era a forma domesticada da leoa Sekhmet. Em Butástis ela era adorada por sua sensualidade e por sua natureza amorosa.
Dizia-se que Toth apaziguara a voracidade da sanguinária Sekhmet dando-lhe vinho para beber, em vez de sangue.
Bastet então tornou-se a deusa dos festivais e do vinho.
O sistro que ela trazia na mão simbolizava o prazer da música e da dança.
Chamada de a Senhora do Oriente, ela era filha de Rá, e sua natureza solar encarnava a luz do Sol, enquanto Sekhmet personificava o poder destrutivo do Sol.
Acredita-se que seu nome derive de uma combinação das palavras "ba" e "Ast", significando "Alma de Ísis".
Ela aparece sempre como uma mulher com cabeça de Gata ou uma simplesmete uma Gata.
Bastet era a versão mais suave mais amável de Sekhmet - a deusa de leoa -
embora é pensado que Bastet pode ter sido originalmente semelhantemente uma leoa - uma inscrição que data a Ramesses estados de IV que era ilegal para caçar leões no dia festivo de Bastet.
Bastet começou uma elevação em importância na 22ª Dinastia como a deidade local destes reis - esta popularidade era continuar até o Período Graeco-romano.


O aspecto místico ao qual os felinos estão associados possui causas bem claras.
No antigo egito onde o culto a vários deuses estava sempre ligado com a força da natureza, encontramos a Deusa BASTET, representando o poder benéfico que os raios do sol possuem.
Uma das esposas de Rá, tida como a divindade dos gatos selvagens, era admirada pela extrema agilidade e vigor.
Segundo o mito, BASTET defendia Rá da serpente maligna.
Bastet era celebrada em grandes procissões de barcas no rio Nilo e em cerimônias orgíacas nos templos consagrados à Deusa, uma mulher com cabeça de gato, com um chocalho na mão e um cesto na outra.
Diz-se, até hoje, segundo os estudiosos da mitologia egípcia, que os seus protegidos são pessoas bondosas, humanitárias, leais e muito cordiais, e que, por isso, simbolicamente, eles têm a força dos raios solares e estão destinados a trabalhar em favor dos mais fracos.
Sendo Bastet uma das divindades da alegria, seus filhos geralmente são alegres e divertidos.
Gostam de brincar e têm excelentes dons para trabalhar no teatro ou no cinema.
Mas é preciso levar em conta um detalhe: é preciso cuidado para que essa rebeldia não se transforme apenas em revolta sem objetivo.
Se isso ocorrer, os filhos de Bastet tornam-se seres excêntricos que perdem o poder de despertar a simpatia nas outras pessoas.
.

Um comentário:

moirah akis disse...

Adorei eu sou filha de Bastet!!!