"E aqueles que pensam em Me procurar, saibam que a vossa busca e vosso anseio devem beneficiar-vos apenas se vós souberdes o Mistério; se o que vós procurardes, vós não achardes dentro de vós mesmos, então nunca encontrarão fora. Pois eu tenho estado convosco desde o Início e Eu Sou Aquela que é alcançada ao final do desejo"


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O MAIS BELO HINO A DEUSA



Esta é uma ladainha Akatistos por São Nektarios de Egina, que era um estudioso dedicado, bem versado nos textos antigos e na liturgia da Igreja Primitiva bizantina. Como parte de seu ministério controverso esforçou-se para restaurar a posição de diaconisa da Igreja Ortodoxa Oriental.

Seu hino inspira-se fortemente sobre as tradições litúrgicas e formas musicais do século 6 Bizâncio e reflete a música do início da Igreja Ortodoxa Oriental em um momento em que foi fortemente devedora das tradições culturais e filosóficos de Helénica e pré-helênica Grécia.

O verbo "khaire" (que significa "Salve!", No sentido de invocação) é mais freqüentemente "traduzida" como "se alegrar", nas versões em Inglês de hinos Akatistos.

Tal como na pré-cristã hinos à Deusa - o refrão "Khaire Nymphe" é repetida depois de cada verso e faz coro.

Esta é uma reminiscência da invocação do Shekinah ( "Espírito Santo") nas tradições do judaísmo místico em que a chamada "Bo-i Kallah, Shekinah!" ( "Vem, ó Noiva, Shekinah!") Ressoa com profunda reverência e amor.

Nessa oração, o Panaghia é invocado por Seus títulos sagrados que têm sido parte de um cordão de prata do cordão umbilical de continuidade que é bem documentado de inscrições que remonta aos tempos pré-Helénica:

Despoina ( "senhora")
Nymphe ( "Noiva")
Meter (Mãe)
Kore ( "Filha")
Kuria ( "Lady")
Anassa ( "Rainha")
Basilissa ( "Rainha")
Pantanassa ( "Rainha de Todas as Coisas")
Panaghia ( "Todo Santo" cf. Ariadne / Ariagne)

Uma das mais interessantes é "Kore Semnae Basilissa" - título de um ritual que traz consigo os ecos dos Mistérios de Réia, Deméter e Coré em Elêusis, Lykosoura, Phigalia, Mount Ida, Magna Grécia e as ilhas do Mediterrâneo.

Despoina tem, de que há memória, foi um dos nomes pelos quais as memórias da Deusa são retidos no solo, este fato tem sido bem documentado desde o século 19 - na altura em que esta ladainha inspirado surgiu.
As tradições misteriosas do milagroso ícone da Black Despoina de tsacônio Elonas (Despina um Eona ') ainda conseguem transmitir uma lembrança distante ancestral da Despoina antigos, filha de Deméter Black (Μέλαινα Δημήτηρ) do Arcádia Lykosoura (Λυκόσουρα) e Phigalia (Φιγαλεία) para este dia.

O arranjo musical é atemporal, extraordinariamente bela e sugestiva.

_________________________________

A muitos títulos que tenham sido codificadas neste aretalogy hierática do Panaghia são os mesmos que foram usados para invocar a Grande Deusa do pré-avante período helênico.

Antes da criação de panteões formal Grande Deusa era primeiramente conhecida por seus títulos sagrado como está documentado nos comprimidos Linear B e nas primeiras inscrições de Chipre, Rodes, Egina e das Cíclades.

Wanassa (agora Anassa) e Basilissa - ambas significando "A Rainha" são bem conhecidos os títulos de Grande Deusa minóica em Creta e nas ilhas do Mediterrâneo.

Despoina - "O Amante" é conhecida em inscrições no seu santuário Pelasgian nas colinas de Arcadia e este título, manteve-se dela nas aldeias de montanha da Grécia, em memória viva.

________________


O coro de "Khaire Nymphe" é uma invocação de "A Noiva" e aparece nos hinos órficos muito antes do que era apropriado conscientemente pela Igreja bizantina e deu novo significado.

São Nektarios era um estudioso e especialista em liturgia bizantina e ambos os pré-cristã textos sagrados e teria sido bem conscientes do contexto original quando compôs este hino ...

A versão de pré-cristã - em que este hino refúgio poderia ter sido com base - pode ter incluído o refrão sugestivo:

.:. Khaire Nymphe.:. Io Nymphe Thea.:.
.:. Χαίρε Νύμφη.:. Ιώ Νύμφη Θεά.:.

Gaia Lil:

Simplesmente me deixou sem palavras...E só ouvir e imaginar (lembrar...) dos tempos em que as mulheres cantavam hinos no Templo da Grande Deusa, é sem duvida um hino a todo o potencial e grandeza da mulher, aos Mistérios Femininos da Grande Mãe, "Rainha de Tudo" de Deméter ( que significa na antiga língua cretense significa literalmente "Deusa Mãe" e a todas as Grandes Deusas do período matrifocal...)

Este o mais belo hino...Não tem palavras , aconselho a qualquer mulher que o ouça deixe o vídeo correr até o final e o ouça com toda a sua Alma.


*

2 comentários:

Beto disse...

eu gostei mais do hino de Dioniso... };)

Gaia Lil disse...

Quem sabe elas não cantaram o hino de Dionisio com uma voz melhor?
Nada serve boa letra com voz fraca...Isso acontece!

Abraços e que a Mãe Terra e seu filho Dionisio lhe traga muitas bênçãos.