"E aqueles que pensam em Me procurar, saibam que a vossa busca e vosso anseio devem beneficiar-vos apenas se vós souberdes o Mistério; se o que vós procurardes, vós não achardes dentro de vós mesmos, então nunca encontrarão fora. Pois eu tenho estado convosco desde o Início e Eu Sou Aquela que é alcançada ao final do desejo"


domingo, 28 de fevereiro de 2010

A TEIA DA DEUSA

A Teia de TheaThea em grego - Deusa.

Muito antes da era Cristã, há 20 mil anos pelo menos, a imagem da Deusa foi eternizada nos desenhos das cavernas, nas pedras ou nas estatuetas paleolíticas e neolíticas. Essas memórias reproduzem mulheres com ventre grávido, quadris largos, grandes seios. São formas relacionadas à fertilidade e referem-se ao poder gerador da terra e do feminino. A divindade feminina já teve seu lugar honrado em antigas sociedades primitivas, nas quais era reconhecida por sua capacidade de gerar e nutrir a vida, assim como a Mãe Terra.

A sociedade ocidental formou-se sob a égide da mitologia judaico-cristã e se afastou de nossas origens. Fomos criados condicionados por uma cosmologia desprovida de símbolos do Sagrado Feminimo.

Descobertas arqueológicas realizadas em sítios neolíticos testificam a existência de uma sociedade agrícola pré-histórica bastante avançada, na região da Europa e Oriente Médio, onde homens e mulheres viviam em harmonia e o culto à Deusa era a religião. Não há evidências de armas ou estruturas defensivas, portanto se conclui que esta era uma sociedade pacífica. Também não há representações, em sua arte, de guerreiros matando-se uns aos outros, mas pinturas representando a natureza e uma grande quantidade de esculturas representando o corpo feminino.

Trazer de volta as divindades e símbolos femininos presentes em diferentes tradições religiosas e culturas é nosso resgate.

Vivenciamos a sacralidade a cada dia de nossas vidas, em um eterno ritualizar de ciclos.

Eu sou a Mãe de todos os seres vivos, a culminação da criação
Eu gero e nutro a vida em mim e tudo o que gerei e pari é bom, muito bom.
Eu me recuso carregar a vergonha do homem no meu corpo,
Eu me recuso perpetuar a fraqueza da mulher na minha vida.
Honre tudo o que foi diminuído, receba tudo o que lhe foi negado,
Pois no início de tudo existia somente a Mãe.
No primeiro dia criei a luz e a escuridão e elas dançaram juntas,
No segundo dia criei a Terra e a água e elas se tocaram entre si,
No terceiro dia criei as plantas e elas enraizaram e suspiraram,
No quarto dia criei as criaturas da terra, do mar e do ar e elas caminharam, nadaram e voaram,
No quinto dia minha criação aprendeu o equilíbrio e a colaboração,
No sexto dia celebrei a fertilidade de todos os seres,
No sétimo dia deixei espaço para o desconhecido,
No início de tudo existia somente a Mãe, a mãe criadora e nutridora de todos nós.
Honre tudo o que foi diminuído, receba tudo o que lhe foi negado
E afirme: Eu sou mulher, eu sou boa, eu sou feliz!
Eu sou a Mãe

Eu sou a Mãe de Patricia Lynn Reilly - A God who looks like me

IN: http://www.teiadethea.org/?q=node/23

Um comentário:

AAGOETZ disse...

Teia de thea é um círculo que trabalha o resgate do sagrado feminino. Já se pode imaginar o impacto que isso traz às mulheres que, educadas em uma sociedade masculinia, tem alguns paradigmas quebrados e procuram o encontro de valores naturais de seu feminino, através de uma didática muito amorosa, com muita dedicação. Poucos sabem que o resgate do sagrado feminino é um desafio também ao homem, vítima da supervalorisada sociedade masculina, rica em arquétipos ultra-masculinos, de Apolos, Mercúrios, Zeus e tantos super-deuses. Essa carga se traduz ao homem como um ser superfálico, infalível, detentor do patriarcal patrimônio, modernos palacetes e bigas quase atômicas, que lhe custam os olhos da cara. Corpo escultural, infalibilidade absoluta. O amor com que essas mulheres tratam o seu sagrado feminino é tanto, que se irradia, através de suas habilidades de cura social e espiritual, aos homens que as cercam. Seu perdão inconsciente aos nossos excessos, sua acolhida reconciliadora, seu eterno dom de nutrir, e a ciclica tentativa de a cada geração trazer ao mundo homens realinhados com o masculino natural, nos deixa (menino, companheiro, ancião) premiados de seu amor. Mmaravilhoso trabalho!! Abençoadas sejam!!!